A EVOLUÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA

(*) Volnei Alves Corrêa

“A liberação da energia atômica mudou tudo, menos nossa maneira de pensar.” Albert Einstein

Desde que o homem descobriu o fogo, ele pressentiu que teria ali um instrumento que ira modificar seu modo de vida. Passado o medo inicial, ele conscientizou-se de que poderia utilizar aquela energia gerada pelo fogo para melhorar sua alimentação, sua segurança, sem bem-estar.

A partir desta constatação pode-se dizer que o fogo foi a primeira fonte de energia utilizada pelo homem. Como ele a descobriu? Segundo os historiadores foi a aproximadamente 1.200.000 anos que o homem teve seus primeiros contatos com o fogo. Este primeiro contato pode ter sido ao observar galhos de uma árvore ardendo ou vendo lavas vulcânicas.

Passaram mais de 700.000 anos, segundo estudos arqueológicos, para que o homem começasse a produzir o fogo.  A partir deste momento houve uma evolução constante no processo de geração de energia, que, para efeitos didáticos, eu vou denominar de ondas de Energia.

Dentro desta visão, pode-se dizer que a primeira onda, surgiu com a geração da energia térmica, onde, através do fogo se gerava o calor. Esta fonte, inicialmente utilizado para aquecimento e proteção dos indivíduos, evolui até a transformação da mesma em fonte de energia.

A segunda onda foi a utilização da água para a geração de energia. A energia hidráulica ou energia hídrica (1) é a energia obtida a partir da energia potencial de uma massa de água. A forma na qual ela se manifesta na natureza é nos fluxos de água, como rios e lagos e pode ser aproveitada por meio de um desnível ou queda d’água. Pode ser convertida na forma de energia mecânica (rotação de um eixo) através de turbinas hidráulicas ou moinhos de água. As turbinas por sua vez podem ser usadas como acionamento de um equipamento industrial, como um compressor, ou de um gerador elétrico, com a finalidade de prover energia elétrica para uma rede de energia.

Considerado o terceiro maior potencial hidráulico do mundo, o sistema hidrelétrico gera 90% da energia utilizadas pelos brasileiros.  Apesar deste numero expressivo, o Brasil não produz toda a energia hidrelétrica que consome, pois, a Hidrelétrica de Itaipu não é totalmente brasileira. Além disso, compramos energia produzida pelas hidrelétricas argentinas de Garabi e Yaceritá.

Um dos problemas da geração da energia hidráulica é a necessidade de grandes áreas para as barragens, com a consequente utilização, muitas vezes de áreas de preservação ambiental, quando não tem de destruir áreas habitadas, próximas a barragem em construção

Outra questão é a necessidade utilização de linhas para transmissão da energia que, por precisarem ser levadas à grandes distâncias, acaba tendo perdas de até 40%

Por terceira onda eu denominaria a energia nuclear, considerada extremamente limpa, mas geradora de resíduos quase que impossíveis de serem eliminados. A energia nuclear (2) provém da fissão nuclear do urânio, do plutônio ou do tório ou da fusão nuclear do hidrogênio. É energia liberada dos núcleos atômicos, quando os mesmos são levados por processos artificiais, a condições instáveis.

A Energia Nuclear produzida pela empresa Brasileira Eletronuclear, corresponde a cerca de 3% da matriz energética do Brasil. Ela é produzida  por dois reatores de água pressurizada na Central Nuclear Almirante Álvaro Alberto, em Angra dos Reis, denominados, respectivamente Angra 1 e Angra 2. A construção de um terceiro reator teve início em junho de 2010, e o mesmo está previsto para entrar em funcionamento em maio de 2018.

A quarta onda surgiu com a utilização dos ventos. Pode-se dizer que esta fonte de energia já existia há muito tempo, sendo muito utilizada em cata-ventos e embarcações.  Contudo, como fonte de energia para grandes áreas, só com o aparecimento de aero geradores, pode-se falar em energia gerada pelo vento.

Estes equipamentos nada mais são do que grandes turbinas, em formato de cata-vento, que ao serem colocadas em locais abertos e com boa quantidade de vento, através de um gerador, geram energia elétrica. Apesar de ainda ser relativamente pouco utilizada, a capacidade eólica mundial é de 238,4 GW (3)

A quinta onda, em minha opinião, a mais limpa e que no futuro, provavelmente, terá o menor custo é a solar. Quando se fala em energia solar parece incrível, que esta forma existente desde o início do mundo, apenas agora esta sendo pensada como uma fonte de energia.

A energia solar foi utilizada em seus primórdios, basicamente, como fonte de aquecimento. Seu uso em residências e posteriormente em empresas destinava-se, inicialmente, ao aquecimento de água ou para outros fins em que se necessitava de calor.

Na energia solar térmica, precisa se utilizar coletores solares que geram calor. Já na energia solar fotovoltaica, a mesma é convertida em eletricidade a partir de um conjunto de módulos solares.

O termo ‘Fotovoltaica’ é o casamento de duas palavras: Foto, que tem sua raiz na língua grega e significa “luz” e Voltaicaoriginaria de ‘volt’ que é a unidade para medir o potencial elétrico.

No gráfico, a seguir, aparece um estudo elaborado pela Empresa Blomberg (4) onde se constata a evolução do preço da geração de energia fotovoltaica. De um valor de setenta e seis dólares em 1977, o valor atual encontra-se, próximo dos trinta centavos de dólar.

 Feitas estas considerações, acredito que o momento é o de investir-se em energia Solar Fotovoltaica.

 Comparando com a energia hidráulica a mais utilizada, no momento, a energia solar fotovoltaica reduz em muito o custo de geração e fornecimento de energia elétrica.

 Neste momento pode-se afirmar que esta forma de energia irá, de forma quase que certa, impor-se sobre as demais. Em que me baseio para fazer este tipo de afirmativa?

 Inicialmente pode se constatar que é a fonte de energia com o menor índice de poluição. Para sua geração não necessitamos criar fontes de poluição.  Em segundo lugar, para sua geração não são necessários grandes espaços, sendo possível de ser gerada em locais próximos do usuário final.

 Estas duas razões, entre outras de menor importância, são suficientes para a constatação de que a energia solar fotovoltaica será a que terá os menores custos, seja em seu processo de geração e transmissão, seja em sua condição de não ocasionar tantos danos ambientais.

 

 (1)  Pesquisa na internet em 04/12/15 , https://pt.wikipedia.org/wiki/Hidroeletricidade

(2)  Pesquisa na internet em 04/12/15 http://www.biodieselbr.com/energia/nuclear/energia-nuclear.htm

(3)  Pesquisa na internet em 04/12/15 http://www.suapesquisa.com/o_que_e/energia_eolica.htm

(4)  Pesquisa na internet em 04/12/15,  http://www.bloomberg.com.br/

 (*) Bacharel em Economia pela Universidade de Cruz Alta, RS; Bacharel em Administração Pública e de Empresas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul; Mestrado em Administração pela Universidade de Syracuse, New York, USA; Mestrado em Auditoria e Gestão Ambiental pela Universidad de Leon, Madrid, Espanha; Professor Universitário; Consultor Organizacional. Ambientalista; Presidente do Instituto de Sustentabilidade e Resiliência

E-mail: volneic@terra.com.br;
Facebook: http://facebook.com/volnei.alvescorrea;
Twitter:  @VACORREA41
Linkedin:https://www.linkedin.com/in/volnei-alves-corrêa-a246093b?trk=nav_responsive_tab_profile